mergulhem-se

segunda-feira, 25 de junho de 2012

O raio sobre o lápis, Maria Gabriela Llansol, poema...

V

a conclusão de que não há abismo, e que a infância não
pára de desenvolver-se e crescer,
é um novo princípio de realidade, de morte, de velhice:
eu não deixo de viver no mundo interior e exterior das
metamorfoses flutuantes; é já dia, mas a noite que con-
duz a esperança no pensamento, e sobre si própria, não
acabou.
Não acabou definitivamente;
onde estará, protegendo-se da luz, o sapo que brilha?
Eu tenho a intuição, Aramis, de que os monstros
são as tentativas mais puras do Universo.
«Olha-os, e não os mates.»

2 comentários:

Cesar Piscis disse...

Como adoro anfíbios e répteis, adorei tua metáfora...

Anônimo disse...

Que poema lindo!

Marília